« Home | Era Uma Vez » | Cabo Verde: Tribunal Constitucional instalado em 2... » | Reacção ao despautério » | A TEIA ( DAS PALAVRAS )* Eu não vou dizer grande c... » | Sinais » | Isto é que é Portugal no seu melhor: arroz de cabi... » | As diabruras de Bush » | Depois do som, a imagem » | Hoje é dia da Música » | Litigância e Desenvolvimento Económico nos E.U.A. »

Os parasitarium jornalistófilus

«Querem um símbolo, um expoente, um sinónimo, dos males do jornalismo em Portugal? É fácil: basta citar o nome de José Manuel Fernandes e todo o mal que se pensa sobre corporativismo dos «media», conservadorismo, atavismo, manipulação, jogos de sombras e de influência, vem-nos imediatamente à cabeça.(...)».
.
Este é o início de um artigo da autoria do Jornalista Jorge Van Krieken, que autorizou a sua publicação integral no Blogue do Verbo Jurídico. Aqui, para leitura integral.

Que engraçado!
No mesmo dia em que o conhecido jornalista escreveu o seu texto, lembrei-me eu de escrever o meu.

Que por acaso começa da mesma maneira!

Coincidência!

Enviei-o ao Verbo Jurídico dando autorização de publicação, que não o publicou e publiquei-o no meu Blog e no dizpositivo!

Claro que a autora do meu, não tem nem de longe nem de perto a coragem do ilustre jornalista!

Mas que o escreveu escreveu.
E que a ideia surgiu surgiu...

Ainda dizem que não há coincidências?????

Por acaso quando li o editorial surgiu-me exactamente a mesma ideia e alinhavei logo umas ideias aperfeiçoadas para a escrita.
Não escrevi. Li depois aqui, o que me pareceu um texto engraçado, talvez demasiado desenvolvido e que perdeu um pouco por isso.
O texto do tal jornalista que me merece muito pouca consideração por causa de um blog que por aí anda, onde, para além de outras coisas, se deu ao trabalho de bufar nomes de pessoas que escrevem em blogs sob anonimato ( execrando sempre os métodos pidescos...)também está ibnteressante. Mas, a meu ver é mais insultuoso em geral do que o texto de JMF. E incorrecto, pois todos sabem que a génese do CPP de 1987 não é a que vem escrita, nem os motivos são esses.
Mas enfim...quanto a comentários também me posso queixar de censura de um ou outro.
Não levo a mal. E ando a fazer um pequeno esforço para largar o vício...

Já agora JTP e como lhe pedi no Verbo Jurídico, onde , sendo um artigo, podemos ler o mesmo?

Ou seja, onde foi publicado para além do verbo Jurídico.


É que ele realmente há coincidências!!!

Quanto ao mais remeto para os meus comentários no Verbo Jurídico.

Cleopatra:

Por favor, pontos de honra:

1) Jamais no meu comentário quis referir-me ao seu artigo.

2) O seu artigo não foi publicado "a tempo". Recebi-o era quase meia-noite do dia 3 (enviou-me na terça dia 3 às 23:52h). Nesse dia tinha ainda que várias coisas a fazer e no dia seguinte tinha muitas diligências. E antes de publicar o que quer que seja gosto de ler com atenção. Gostei do que li, mas depois verifiquei que já estava publicado no Dizpositivo e no seu blogue. Por isso, não publiquei. Não por menosprezo, mas porque não quis duplicar o Dizpositivo do qual também era - até à data - colaborador.

3) Não sou o autor do artigo do jornalista em causa. Não sei se ele leu o seu post no Dizpositivo. O mesmo assina e data o artigo. Por vezes há coincidências. O que não é muito difícil numa situação como esta.

4) Apenas tenho conhecimento, prestado pelo Autor, que aguarda publicação no jornal "Público", para onde foi remetido. Entretanto, o Autor quis remeter o artigo para divulgação. Pelo menos tenho conhecimento que outro organismo também recebeu esse texto. No que ao VJ se refere, aceitamos a publicação, como aliás, é a regra. Ainda não houve uma primeira vez para recusa de artigos opinativos.

5) Para evitar mais desentendimentos, dirijo aos administradores do blogue o meu pedido para deixar de pertencer ao número dos colaboradores. Agradeço assim que o efectivem, com eliminação do meu acesso e da referência ao meu nome na coluna à direita. Obrigado.

Mensagem de e-mail recebida de Jorge Van Krieken sexta-feira, 6 de Outubro de 2006 10:05 e remetida também para dizpositivo@hotmail.com :

----- Original Message -----
From: Jorge Van Krieken
To: dizpositivo@hotmail.com
Cc: Administrador Verbo Juridico
Sent: Friday, October 06, 2006 10:05 AM
Subject: Jorge Van Krieken

«Li que um artigo meu deu alguma polémica pelo facto da sua entrada ser idêntica ao de uma senhora, AKA Cleopatra, que teve a mesma ideia de repetir o lead do artigo do Público, alterando-lhe somente os nomes. Em algumas passagens, fioca a sensação de que eu copiei o artigo da senhora e de que o Blog que publicou o meu artigo terá sido «cúmplice» no plágio. A imaginação fértil é por vezes perigosa.

Há de facto coincidências, embora esta não seja assim tão original.

Junto-vos o documento Word do meu artigo, onde podem simplesmente constatar que o escrevi no dia 30 de Setembro de manhã, entregando-a à minha mulher (que também é jornalista) para uma revisão geral, como sempre faço. Enviei-o ao Público no dia 3 de Outubro, às 10:33 da manhã, conforme podem constatar pela cópia do cabeçalho do email enviado ao jornal, que aqui junto [doc. word junto] .

-----------------------------------

From: Jorge Van Krieken vankrieken@gmail.com Mailed-By: gmail.com
To: publico@publico.pt
Date: 03-Oct-2006 10:55
Subject: artigo de Jorge Van Krieken
Reply | Reply to all | Forward | Print | Add sender to Contacts list | Delete this message | Show original | Message text garbled?
Caros colegas

Agradeço a publicação deste artigo de opinião, caso julguem oportuno e de interesse para os vossos leitores.
Saudações

Jorge Van Krieken
Jornalista

-----------------------------------
Ora, pelo que li, a senhora em causa enviou o seu artigo ao VerboJurídico no dia 3 de Setembro às 23:52 minutos, 3 dias depois de eu ter escrito o meu artigo, e 13 horas depois de eu o ter enviado ao Público...

Não se deve acusar nem julgar as pessoas pelas coincidências, mas sim pelos factos, que devem ser sempre analisados antes de emitirmos uma acusação pública ou privada. E acusar um jornalista de «plágio» equivale a acusá-lo de corrupção, é o pior que se pode fazer a um jornalista, dado que escrever é a nossa profissão, o nosso ganha-pão. Uma acusação dessas retira-nos credibilidade e, por isso, trabalho.

No vosso Blçog, que desconhecia a sua existência, vejo hoje que este episódio causou um certo incómodo, levando até um dos vossos membros a afastar-se do grupo. Peço-lhe encarecidamente que reconsidere e não o faça. É um equívoco -- motivado pela precipitação da senhora em causa -- que, estou certo, todos compreenderão.
Agradeço é que a senhora em causa proceda agora de acordo com a sua consciência.

Agradeço publicação deste esclarecimento nos vossos Blogs, se acharem oportuno.

Saudações

Jorge Van krieken
Jornalista»

Este n é o tal do 24 horas ? Estranha aliança...

Quanto a tudo remeto para os meus e todos os comentários no Verbo Jurídico.

A Senhora em questão não tem mais nada a dizer.

Já depois do seu último comentário, JTP comunicou-me a sua intenção de permanecer como colaborador do Dizpositivo.
Assim se fará.

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação