« Home | Personae non gratae » | O mérito das quotas » | Será necessário um Programa Pactuar Melhor? » | Cartelização da democracia » | Isto de falar de luto no dia do casamento... » | DEMOCRACIA, QUE DEMOCRACIA? » | Até um dia destes » | O Pacto » | E CIA Declaração Universal dos Direitos do Homem, ... » | O refugo »

Reforma de Justiça I, II, III e IV

A ler aqui, aqui, aqui e aqui.

Quem se der ao trabalho de ler o que Vital Moreira foi publicando como artigo de opinião, sobre a magistratura portuguesa, mormente os juízes em particular, há-de reparar que os escritos são sempre acintosos, baseados em ideias conhecidas e que assentam sempre numa patente deslegitimação do poder judicial. Objectivamente sempre assim me pareceram.

"Despautérios judiciais" é o título de uma dessas crónicas, antes de existirem blogs.

As ideias de Vital Moreira sobre a organização do poder judicial deveriam ser melhor analisadas, porque aparentemente tem caminho livre actualmente no poder político que nos governa.
Entre as ideias de Alberto Costa e as de Vital, não há aparentemente diferenças.
O único modo de contestar estas ideias, será mostrar-lhe que está errado como estava, antes de em 1989 descobrir que a União Soviética e o Partido Comunista não eram propriamente o modelo ideal para a organização da sociedade portuguesa.

Para tal, seria preciso recorrer a quem sabe destas coisas para lhe mostrar que deveria arredar-se de vez para o Instituto Jurídico e por lá ficar, aproveitando a passagem de Figueiredo Dias, Costa Andrade e Faria Costa, para lhes perguntar se as alternativas destes não serão bem melhores do que as ideias peregrinas que vem defendendo há anos e que afectam muita gente.

Pelos vistos, Vital Moreira não tem concorrência.
Pobre país.

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação