« Home | Prelúdio de um requiem » | O processo sumaríssimo no Anteprojecto » | Anteprojecto de Revisão do Código de Processo Pena... » | A viagem continua... » | Micro-contributo para o "Programa Legislar Melhor"... » | Coisas estúpidas » | Carta em férias a Laborinho Lúcio » | Advogados de empresa em Portugal » | E.U.A.: Escutas telefónicas por ordem presidencia... » | Limite máximo da pena de prisão »

Quem precisa de quotas?

Recentemente, os senhores deputados deram força de lei ao seu entendimento segundo o qual a sociedade - não apenas as mulheres - só conseguirá conquistar a paridade entre homens e mulheres por decreto.
No que às magistraturas diz respeito, parece que as mulheres não precisam de quotas. No ano transacto, apenas 29 dos 111 candidatos admitidos ao Centro de Estudos Judiciários eram do sexo masculino - 20,7%. Este ano, dos 97 candidatos constantes da lista de admissões, apenas 16 são do sexo masculino - 16,5%.

As quotas, caro Paulo,são próprias de uma sociedade que execra o mérito e, na ânsia de combaterem a discriminação, criam uma espécie de paradoxo, que é o que se chama "descriminação reversa". O fenómeno já não será virgem entre nós.

As quotas, caríssimos, nestas ou noutras matérias, não passam de írrito epifenómeno de um problema muito mais largo e pernicioso:
o do militantismo politicamente correcto de correntes ideológicas sectoriais, mais ou menos extremistas ou até fanatizadas, enquanto meio de afirmação cogente de programas ou agendas que não alcançam consenso social nem alcançariam caso fossem debatidos de forma esclarecida.
Sejam "feministas", "pacifistas", "ecologistas", defensores dos "direitos dos animais", "antitabagistas", "higienistas" de vários quilates, activistas "gay" e sei lá que mais, na convergência de métodos e agressividade de discurso dá tudo o mesmo. Quem for "contra", quem meramente discordar ou até apenas sugerir limitações, é alvo potencial e frequentemente efectivo da imputação de "reaccionário", "facho", "ultramontano", "retrógrado" e tudo o que de sentido pejorativo lhe possa ser arremessado no plano cultural-ideológico, quando não jurídico (mesmo penal...) e até físico.
Claro está, a tirania orwelliana a que isto vem conduzindo não se evidencia nos aspectos externos menos subtis e mais visíveis do profético "1984", cuja paulatina concretização de resto os não vem confirmando - pelo contrário, tudo é servido com uma certa aparência "soft", benevolente paternalismo e muito longe da sociedade concentracionária do partido único.
Em todo o caso, o que importa é conseguir o "pensamento único" agradável aos "Grandes Irmãos" - e onde a instalação da dita tirania se pode de algum modo detectar com mais significado é no progressivo apuramento e na crescente eficácia da "novilíngua", na capacidade de certas minorias activas e empenhadas, com o apoio consciente ou não dos media, subverterem a bel talante o valor de uso das palavras, sobretudo quando designam conceitos.
Para essa gente, qualquer conceito designado pode facilmente deixar de possuir um sentido comum mínimo em que todos estejam de acordo, assumindo antes, à medida das necessidades tácticas ou estratégicas, valor congruente com o programa ou que a afirmação deste requerer.
Ideias como "igualdade", para concretizar, podem assim justificar acções como o estabelecimento das tais quotas e quem se lhes opuser pode facilmente ser rotulado de inimigo da "igualdade", amigo da "desigualdade" e, num ápice, "fascista".
Pouco adiantam argumentos como o de que enquanto se discutem as quotas a generalidade das mulheres da sociedade moderna, em princípio tão empenhadas na ascensão social, económica e no acesso ao poder (em qualquer das suas múltiplas formas) como os homens, e com iguais direitos e meios para consegui-los, vai fazendo o seu caminho, sem necessidade de "quotas".
Ilustrá-lo com números como os da admissão ao CEJ ou com o potencial de desigualdade das acções em suposto prol da igualdade, tudo é lógica que nunca convencerá os prosélitos da "affirmative action", a quem em rigor não interessa para coisa alguma a racionalidade e, tal como os crentes em uma qualquer fé, não são susceptíveis de ser ou não convencidos.
O que está em causa é o "programa", o "patofalar" dos seus agentes é resistente à razão e a substância de hipotéticos argumentos não conta: assumida, dogmaticamente, a bondade da "causa", quem se lhe opuser é por definição "mau" - e tudo o que importa é repeti-lo, à exaustão, até que seja o equivalente funcional da verdade.
Mais do que lastimar as quotas, entre outros epifenómenos, importará, isso sim e enquanto é tempo, barricarmos a liberdade intelectual contra esta vaga de barbárie, sendo na defesa dos redutos da civilização pelo menos tão intransigentes quanto os seus sectários.

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação

Quem diz?

  • ACCB (Cleopatra)
  • Ana C. Bastos (actb)
  • Ana C. Nogueira
  • Ana R. Costa Pereira
  • António Gomes
  • Igreja Matos
  • J F Moreira das Neves
  • João Paulo Vasconcelos Raposo
  • Joel Timóteo Pereira (J.T.P.)
  • Jorge M. Langweg
  • Manuel Soares
  • Pedro Soares de Albergaria
  • Raquel Prata
  • Teresa Garcia Freitas
  • V. S. Santos

Diz coisas

Diz quantos

    unique visitors counter

Diz ali

Web 2.0

    Diário do dia
    Bases Jurídico-Documentais
    Gabinete de Documentação e Direito Comparado
    YouTube
    MySpace
    Flickr
    Wikipedia
    PodShow
    Blogger Templates