« Home | «A procissão» » | Uma verdade Inconveniente » | Uma palavra independente » | Família e Menores... mais longe? » | Do pacto prematuro à depressão pós-pacto » | Ad perpetuam rei memoriam » | RECORDAÇÕES DO PASSADO » | Assim, de repente » | Regime processual experimental » | Pactum »

Blasfémias

A propósito das recentes declarações de Bento XVI na sua visita à Alemanha, pergunta-se, no Blasfémias:
"Onde é que param os do islão moderado? Umzinho que apareça a explicar que citar um imperador bizantino não é a mesma coisa que concordar com ele? Que para além do mais é uma coisa naturalíssima numa conferência para académicos. Umzino? Não há um único nos 1400 milhões que valorize a liberdade intelectual?"
A resposta talvez seja: aqui, em Portugal.
«Em comunicado, a comunidade islâmica de Lisboa lamenta a escolha da citação, mas entende que não terá sido intenção do Sumo Pontífice atacar o Islão e recorda mesmo a tentativa de aproximação entre religiões e cita episódios dos últimos anos, desde o Papa João XXIII até às acções de João Paulo II» - na Rádio renascença.

Não sei se sabem quem é ou foi Nostradamus.
Aquele "tipo" das profecias, lembram-se?
Pois bem, dizia ele que o Islão entraria pela Europa por Itália.
Não sei se se referia ao já passado se ainda ao próximo futuro.
E falava de um principe que sairia de Portugal para pôr fim a uma guerra destruidora...
Riam-se , fiquem cépticos ou, não liguem nenhuma...
Agora que o homem disse disse.

E claro que todos pensaram que ele se referia a um politico português e, claro, católico...

Não me levem muito a sério. Vim só fazer uma paragem entre duas decisões e tentar lançar a confusão.

E depois, hoje é domingo, nem sequer devia estar aqui.

2 notas:

Outra coisa não era de esperar da comunidade islâmica portuguesa, que é mais do que simplesmente "moderada" - na sua esmagadora maioria, está perfeitamente integrada na comunidade nacional.

Não acredito que seja apenas a comunidade islâmica portuguesa a reagir assim às palavras do Papa. A serenidade e a sensatez não são notícia. Os repórteres querem é gente aos berros e a queimar bandeiras. O resto, não passa nas televisões. E, se não passa nas televisões, não existe.

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação