« Home | RECORDAÇÕES DO PASSADO » | Assim, de repente » | Regime processual experimental » | Pactum » | Boas novas » | Como aumentar a facturação dos cafés dos arredores... » | DIVULGAÇÃO » | Comunicado da Direcção Nacional da ASJP de 8 de Se... » | "JORNAIS" » | Sexo, ódio, violência e discriminação »

Ad perpetuam rei memoriam

Este postal ainda vai merecer uma segunda leitura.
Tenho que o "guardar" aqui no Dizpositivo, pois já aconteceu no passado a versão original de alguns postais desaparecer, para não mais ser encontrada.
«Um pouco mais de seriedade, por favor!
O Random Precision publica a extraordinária peça de um juiz, a justificar o atraso de uma sentença por se recusar a trabalhar fora do seu "período de horário normal", bem como nos fins de semana e feriados, e isto alegadamente em obediência a uma decisão da ASMJ, o sindicato da "classe.
Sucede que, como é óbvio, os titulares de cargos públicos não têm "horário de trabalho" mas sim tarefas a cumprir, aliás como qualquer outro titular de cargo político, seja ele o Presidente da República ou um director-geral.
Trata-se evidentemente de uma expressa recusa de cumprimento de funções, que não deveria passar impune, por ser manifestamente incompatível com a função judicial. Como parece que este não é um caso único, nem inédito, a pergunta que se coloca é esta: o Conselho Superior da Magistratura tomou, ou vai tomar, alguma iniciativa para investigar e punir estas infracções aos deveres funcionais? E, já agora, uma segunda pergunta: os magistrados que têm adoptado estas atitudes de protesto "laboral" terão a coerência de mencioná-las no seu CV, quando se tratar de um inspecção ou de concorrer a um tribunal superior?
[Publicado por vital moreira] 14.9.06»
Adenda. Uma primeira segunda leitura: "Da rocha Trapeia ao Capitólio".

ligado

Criar uma hiperligação