« Home | ...ser preso por não ter » | FORMAÇÃO E/OU "SELECÇÃO" - HOLANDA » | «COMPLEX» SED LEX » | "DON'T CRY FOR ME ARGENTINA" » | Títulos e notícias... » | Humor » | "VIVE LA FRANCE" » | Experimentar o sistema medieval » | 1º Depoimento escrito - artº 12º DL 108/06 de 8.6 » | O Aviso da exclusão »

Diz o que faz quem viu

Entre os dias 24 de Maio e 22 de Junho de 2006, esteve disponível na barra lateral um inquérito onde se perguntava "Diz a sua profissão?".
São estes os resultados finais obtidos:
profissão...................total...........percentual
juiz ...........................111 .............35.13 %
mag. do MP ..............39 ..............12.34 %
advogado(a) .............48 ..............15.19 %
jurista (outra) ...........18 ...............5.7 %
professor(a) ..............10 ...............3.16 %
jornalista ..................18 ...............5.7 %
outra .........................39 ...............12.34 %
oficial de justiça .....28 ...............8.86 %
solicitador .................5 ................1.58 %
Este inquérito tem qualquer valor "científico" - desde logo porque permitia responder mais do que uma vez - , sendo o seu resultado uma mera curiosidade.

Este inquérito tem qualquer valor "científico" -.............

Pois.... significa esta afirmação que temos muitas e muitas horas de trabalho em excesso!

Mas de qualquer forma, e porque os Juízes lêem nas entrelinhas e as entrelinhas, o inquérito também demonstra que "outros" e foram alguns, consultam ou lêem ou espreitam o dizpositivo!
Ainda bem!

Artº 64º do Código da Estrada. «os condutores de veículos que transitem em missão de polícia, de prestação de socorro ou de serviço urgente de interesse público assinalando adequadamente a sua marcha, quando a sua missão o exigir, deixa de observar as regras e os sinais de trânsito, mas devem respeitar as ordens dos agentes reguladores de trânsito(...)».
Comentário: Apesar de, estranhamente, ainda não ter sido defenido o conceito de "intereese publico" para efeitos do nº 1 do artº 64º do Código da Estrada a verdade é que já começa a ser pratica corrente a existência de despachos de anulação de contra-ordenações com fundamento em interesse publico.

Todo o mundo deixou de respeitar as regras e sinais de trânsito em pról do interesse publico.

Gostei do Blogger.
Obrigado
Paulo

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação