« Home | Afinal, a quem interessa a melhoria da Justiça? » | Oh Miguel! Que pena! » | O cravo e a ferradura - Parte I » | «MAIS DO MESMO» » | "Mais do mesmo???" » | Dissonâncias » | Sem inconveniência » | Comunicar: É preciso! » | À Direcção cessante da ASJP e àquela que toma hoj... » | Comentários no Dizpositivo - II »

Será que alguém nos ouve?

Ainda que mal pergunte, não posso deixar de o fazer: alguém, porventura, levou ao conhecimento do Sr. MST os textos que a propósito do seu brilhante artigo jornalistico "Mais do Mesmo" foram publicados neste e noutros blogs, e dos quais resulta desmontada em três tempos e com simplicidade a sua tese de que os juízes continuam aser "os de sempre"? Ou acham que já não vale a pena?
Digo isto porque, no ano que passou, a propósito de outra monumental ode(io) aos juízes publicada na sua coluna no "O Público", foi aquele senhor esclarecido, por carta redigida por um juiz dando-lhe conhecimento, ponto por ponto, com base em experiência própria e factos concretos, da realidade sobre a qual aquele senhor, como é habitual, escreveu inopinadamente. A resposta não tardou muito e posso dizer-vos, sem cometer qualquer inconfidência, que afinal os argumentos de MST contra aqueles factos tão concretos, e que não foram por si contrariados em momento algum, afinal se reduzem a uma má experiência com Juízes enquanto exerceu a advocacia. A partir daí, como "são todos iguais"...
É certo que este tipo de raciocínio, passo a expressão, "irracional" não é próprio de um jornalista de opinião, que até tenho por inteligente e perspicaz.
Mas será que não vale a pena encher a caixa do correio do MST com estes textos e outros que se escrevam a propósito, ao menos para que ele perceba que não está "a bater no ceguinho", mesmo tendo por certo que teimosamente manterá a sua raiva cega aos juízes?
Eu acho que vale a pena!
Penso mesmo que os desabafos que fazemos nestes bolgs da especialidade pouco ou nada interfirarão com o curso dos acontecimentos posto que ficam aqui entre nós.
Parece-me que chegou a hora de esclarecer directamente o cidadão e sobretudo quem é líder de opinião, para que não possam mais alegar desconhecimento e boa fé quando falam do que não sabem com a certeza e segurança que os sábios não ousam.
Sem ofensa: "Vozes de Burro Não Chegam ao Céu". Não sou eu que digo, mas o Povo ...

Não me parece que um "spin doctor" velho aprenda atitudes novas.
Está-lhe na massa do sangue.
Tenho a certeza que ele tem das boas para relatar dos juízes.
Mas também já ouvi a juízes das boas do advogado MST...

Talvez seja de esclarecer o cidadão.
Mas terá de ser numa atitude pedagógica e positiva, o que não acontece com alguns dos textos já escritos sobre o "Mais do mesmo"
O melhor seria se a ASJP, calmamente, explicasse a MST o que está em causa e o que pretende fazer.

Entendo que devemos fazer um hecúleo esforço para ignorar os 90% de disparates que MST diz e atentarmos nos 10% em que ele tem razão.
Vamos melhorar a judicatura nesses 10% de defeitos relativamente aos quais MST tem razão.

Reparem que é como dizem os posts.
Os destinatários são atingidos por contra informação a toda a hora.
Eu diria mesmo que há Guerra de Informação.
É preciso que a ASJP tome posição e exerça o direito de resposta, nem que seja apenas ao abrigo da Lei de Imprensa.
Que esclareça o cidadão em nome de quem e para quem exerce o seu poder.
Ora vamos lá acordar.
É como diz a Ana Nogueira, estes Blogs são espaços fechados e, ou os divulgamos aos amigos e etc, ou não vale a pena "chover no molhado".
Qto à ASJP aguarda-se tomadas de atitude.

Entende-se o objectivo. Não se entende o tom. Querem-se afirmar como vozes de sensatez e usam o tom dos insensatos. Não me parece que pela via de textos como este possam chegar onde pretendem.

O anonimato é demonstativo de pouca coragem, ou não é??

Ou, então, é a "afirmação" de que apenas a mensagem importa, e não a autoria da mesma.

Concordo Paulo. Dou o braço a torcer.
É verdade também.
Só estava um bocadinhozinho de mau humor.
Os juízes t/b Têm ...mau humor!

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação