« Home | O último capítulo do estudo » | Blaise Pascal » | Faleceu o Conselheiro Araújo de Barros. O corpo es... » | Desculpem-me a fuga ao tom » | Uma inserção à margem » | Bem, se Voltaire dizia ... » | Voltaire » | O cravo e a ferradura - Parte III » | Faz de conta (que se executa) » | Desmistificar a confusão »

O que está na causa

Li, no Causa Nossa, este pequeno artigo da autoria do Professor Doutor Vital Moreira:
«Algo de errado
Pelo menos pela terceira vez, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (Estrasburgo) condena Portugal por violação da liberdade de expressão, por causa de uma errada condenação judicial por alegado crime de injúria num caso de disputa de cariz político. Pelos vistos, se se acrescentar que na maior parte dos casos Portugal tem sido condenado em Estrasburgo por demoras na justiça, temos de concluir que em Portugal os primeiros violadores dos direitos humanos são... os tribunais. Considerando que os tribunais deveriam ser os primeiros garantes dos direitos fundamentais, há evidentemente algo de errado nisto!» (19-4-2006).
Escrevi uma ou duas linhas sobre o que senti ao ler a afirmação grafada com um dramático negrito. Mas nada se poderá escrever sobre este artigo que ele não diga já de si próprio.
As linhas por mim escritas vão ficar na gaveta. Podem vir a ser úteis, no dia em que a minha filha me perguntar por que sou eu um dos "primeiros violadores dos direitos humanos" em Portugal.
P.s. 1 - "Há acusações que, de tão graves, deveriam ser melhor fundamentadas".
2 - Sobre a culpa das "demoras da justiça" dever recair sobre "os tribunais", já escrevi aqui no Dizpositivo e na Sílaba.

Enfim... É tão fácil dizer mal da Justiça. E ainda por cima, é barato e dá milhões.

É claro que é "fácil" dizer mal da "justiça".

Mas não é por leviandade.

É porque ela está podre.

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação