« Home | Comentários no Dizpositivo - II » | A força do quarto poder » | Comentários no Dizpositivo » | Bases de Dados Genéticos » | Um exemplo a seguir » | O Sr. Bartleby » | Continuem a aguardar nas escadas do tribunal – Par... » | O marketing do golpe » | Um documento nada SIMPLEX de obter » | UM SENTIDO LAMENTO »


À Direcção cessante da ASJP
e àquela que toma hoje posse:

Neste dia, em que uma nova direcção da associação dos juízes portugueses toma posse, não queria deixar de cumprimentar os corpos dirigentes cessantes na pessoa do seu Presidente, Desembargador Alexandre Baptista Coelho, pela dedicação e trabalho desenvolvido a pensar nos juízes, ainda que numa linha de orientação demasiadamente virada para o interior da classe profissional que gostaria de ver alterada. Não duvido, no entanto, do muito esforço que despenderam sempre na procura do benefício dos respectivos associados, o que não pode deixar de colher a manifestação da minha gratidão.
À nova Direcção da Associação, na pessoa do seu presidente, Desembargador António Martins, desejo sucesso na implementação de uma “nova atitude” que coloque a Justiça no centro das atenções dos juízes, lembrando-nos que é ela que justifica a existência da nossa “profissão”. O meu sincero desejo é, pois, que por cada reflexão, acto ou discurso realizados pela nova Associação dos Juízes, em prol dos seus associados, se introduzam (pelo menos) duas reivindicações em favor de uma melhor Justiça para oferecer aos portugueses!
Felicidades!

Temo que se não for essa a atitude da nova direcção, estaremos perante um erro histórico.
Esta pode bem ser a última oportunidade de inverter o rumo dos acontecimentos.
Portugal precisa de juízes empenhados na melhoria do sistema de justiça.
Felicidades!

Vocês ouviram, ontem, a converseta que passa na TSF, dita por Duarte Lima e que se chama "mel com fel"?

Em poucas palavras, arrasou completamente toda a lógica sindicalista da magistratura e ainda mais: fustigou como poucos, o novo presidente da Associação Sindical.
Duarte Lima é um indivíduo que se identifica de algum modo como o novo liberalismo deste governo e que alguns deste governo acolhem como compagnon de route...

Ponham-se a pau!

Eu punha-me a pau era se Duarte Lima gostasse da nova Direcção Nacional.

A preocupação de Duarte Lima com a existência das associações de magistrados só vem "provar" a importância destas na denúncia dos podres do sistema.

O Duarte Lima queria era que o pessoal fôsse como diz o excêntrico, "borregos"!
Este é o primeiro comentário que me surge.
De qualquer forma ouvi também o mel com fel...
Parece que o DL acha que só nos devemos preocupar com salários e horários de trabalho.
Para isso temos uma AS.
Mas esquece por certo, ou tenta fazer esquecer, que apesar do nome de ASJP, os Juízes são antes de mais, titulares de orgãos de Soberania e um Poder Independente.
Assim sendo, têm a sua responsabilidade na continuidade do manter e perpertuar o Estado de Direito, mais ainda porque dele são os garantes!
É isso que esquece o Duarte Lima.
Gosto que ele não goste da Nova Direcção.
Mau seria mesmo se gostasse.
Também tenho direito ao meu mel com (MUITO) fel.

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação