« Home | Uma inserção à margem » | Bem, se Voltaire dizia ... » | Voltaire » | O cravo e a ferradura - Parte III » | Faz de conta (que se executa) » | Desmistificar a confusão » | Um estudo prometido » | PAUSA DE PÁSCOA » | O acórdão "dos maus tratos" » | Finalmente, o "estudo"... »

Desculpem-me a fuga ao tom

Mas quando, no país dos feriados e das pontes, se discute a produtividade aos mais variados níveis, não podemos deixar de manifestar a nossa simpatia por declarações corajosas como esta:
«Quem lida com o Parlamento sabe que há determinados dias em que os acontecimentos levam as pessoas a faltarem. Por exemplo, não se pode marcar uma votação por exemplo, quando o Benfica-Barcelona estavam a jogar, ou quando há um acontecimento grande que as pessoas querem ver»

Por exemplo... aproveitar a primeira "oportunidade" para iniciar umas mini-férias mais cedo!

Fala em "simpatia" por declarações "corajosas" como a que publica.
Eu diria que, no final das contas, resta-nos ter (algum) humor para encararmos esta(s) declaração(ões)!

Porque com exemplos destes...

Ou resta-nos alguma ironia...

Enviar um comentário

ligado

Criar uma hiperligação